quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Eu te amo não é oi!



Já dizia uma música da cantora Ludmilla, dizer eu te amo, não é a mesma coisa que falar oi.

Uma vez eu estava conversando com a mãe de uma amiga, e chegamos a uma conclusão que me assustou um pouco... As pessoas falam eu te amo, muito da boca pra fora. E nisso eu me incluo.

Daí, comecei a pensar sobre isso. E comecei a me analisar, e pensar o que me faz eu falar eu te amo a uma pessoa...

Amor é algo que se leva um tempo pra construir, e é fato que não dá pra se amar uma pessoa de uma hora pra outra.
Tiro isso de uma experiência que tive recentemente, onde eu tinha uma amiga, trabalhava com ela, falava com ela todos os dias, jugava que eu podia contar com ela sempre e ela também sabia que poderia contar comigo sempre, porém, como é difícil manter uma relação de amizade e trabalho, tivemos uma briga e paramos de nos falar. 
Eu tinha uma relação de irmã (achava eu) com ela, e sim, eu falava eu te amo, porque o meu sentimento era mesmo como se ela fosse uma irmã. Mas na segunda briga (pelo menos não foi na primeira) o tal do amor evaporou e nem estamos nos falando mais.
Por isso fiquei pensando, eu adorava estar com ela e trabalhar com ela, mas não amava ela como se fosse uma irmã.

Depois desse episódio, comecei a ponderar o que me fazia amar as pessoas de fato.
E percebi que a convivência é um fator mega importante para uma pessoa amar a outra.
Hoje li uma frase no facebook da minha prima que dizia "A gente se apaixona pelas qualidades, mas ama pelos defeitos", e é exatamente isso! A convivência faz com que aprendamos a amar as pessoas do jeito que são, sem querer mudá-las, respeitando as manias, chatisses, etc.

Por isso hoje, posso dizer que amo minha família, porque eles me aceitam como sou, e eu aceito eles como são. E já passamos por muitas coisas juntos, que nos uniu ainda mais e fez esse amor aumentar.
Amo meus amigos, mas meus amigos que sei que estão comigo nos piores momentos, e eu estou com eles também. E esses eu conto nos meus dedos! 

Enfim... Seria legal se as pessoas parassem para pensar um pouco mais sobre o que de fato significa amor. Talvez a gente se decepcionasse menos com as expectativas que criamos em relação às pessoas que achamos que amamos...


Fica aí uma oportunidade de refletir um pouco...


Beijos,
Mari





terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Quero ser Arquiteto... O que precisa?




Oi gente!

Muitas e muitas pessoas vêm me perguntar sobre o curso de arquitetura e urbanismo.

Já ouvi essa pergunta uma série de vezes: eu quero fazer arquitetura, mas o que precisa?

Pois bem, resolvi responder!

Primeiro de tudo e muito mais importante que qualquer coisa é: está na dúvida? Nem comece! 
Digo isso, não porque quero destruir seus sonhos, mas porque a faculdade de arquitetura é pesada, e se você não tem
certeza que quer ser arquiteto, não perca seus próximos cinco anos fazendo o curso.

Dica 2: Não! Você não precisa arrepiar no desenho!
Você vai aprender desenho técnico na faculdade.
No meu caso, os dois primeiros anos de facul, meus projetos eram todos a mão e eu ainda tinha uma matéria que chamava desenho de expressão, onde estudei de desenhos até o uso das cores.
Então, fique tranquilo! Tu vai aprender desenho!

Dica 3: já comece a ir atrás de cursos de programas que usamos para fazer os projetos. Isso faz muita diferença pra arrumar um estágio, principalmente no começo da faculdade, onde você sabe pouco.
Os programas que eu vejo que são mais pedidos são: MS Project, AutoCAD, Skethup, Revit, 3D Max, Vray, CorelDraw e Pothoshop (os três últimos para renderizações de projetos).

Dica 4: acostume-se a dormir pouco, a faculdade exige muito de você, principalmente nas entregas de projetos (apesar que eu pouco sofri com isso, mas muitos colegas meus passaram noites sem dormir).

Dica 5: participar de programas de Iniciação Científica é muito legal, e te agrega um conhecimento enorme. Super indico!

Dica 6: Não deixe pra estudar em cima da hora. Temos muito conteúdo teórico, e as provas geralmente são juntas com a entrega do projeto, logo, você não terá muito tempo pra estudar tudo.

Dica 7: fazer trabalhos em grupo é muito mais fácil. Considerando que são várias pesquisas, projetos e ainda tem a apresentação de cada um dos trabalhos.

Dica 8: Deixe pra se preocupar com o seu TCC na hora certa. Ficar preocupado antes da hora, é besteira! Seu professor não vai te ajudar antes do tempo certo para orientações.

Dica 9: se seu projeto está ruim, comece tudo de novo! Mais fácil e simples, e tem menos dor de cabeça, porque refazer tudo do 0 é mais difícil que começar de novo.
Salvo as revisões de melhorias que o professor indicar.

Dica 10: se você se esforçar e ir atrás dos cursos, o estágio vem facinho. 

Dica 11: arquiteto pode sim assinar projeto estrutural. Isso de não poder é mentira. Porém, eu prefiro que um engenheiro assine. Assim me sinto mais segura (isso vai de profissional para profissional).

Dica 12: tenha em mente: arquiteto cuida da estética, engenheiro da estática.

Dica 13:  resmat é chata e é difícil (pra mim foi)!

Dica 14: esqueça vida social em época de entrega dos trabalhos.

Dica 15: antes de começar a facul, pesquise a grade curricular. Às vezes ela pode te dar uma luz.

Dica 16: você vai amar o curso.

Dica 17: você pode odiar as maquetes depois que começar arquitetura.

Dica 18: você vai virar o mestre o DIY (Do It Yourself)

Dica 19: ideias vão aparecer no meio da noite, no meio do banho. Se prepare, porque você vai querer levantar pra anotar.

Dica 20: não discuta com seus professores. Lembre-se são eles que te dão as notas para passar de semestre.

É isso! 

Espero que tenha ajudado vocês!

Beijos,
Mari







Ih Viajei! Argentina

Oi galera!

Bom, o post de hoje é para falar sobre minha viagem para Buenos Aires - Argentina.
Fui para lá em 2011. Eu ainda não tinha passaporte, mas, isso não foi um problema. Pude entrar com um documento com foto atual (geralmente RG).

Fomos eu, meu ex e duas tias. Fomos de Gol, porque umas das minhas tias trabalha lá e a passagem ficava mais barata (sabe como é, né?!).

Pousamos no Aeroposto Aeroparque, mas lá é tão pequeno, que não vale a pena. Bem melhor pousar no Aeroporto de Ezeisa.

Fechamos o hotel na CVC. A principio ficaríamos em um hotel chamado Galeria, porém ao chegarmos lá, tivemos um Upgrade e ficamos no hotel Panamericano. Eu não sei o nome da avenida onde ele ficava, mas era bem de frente ao Obelisco.

Vista do Hotel


Obelisco e Avenida do Hotel

Nosso quarto era maravilhoso. Na cama cabiam umas cinco pessoas, fácil.
No quarto tinha um banheiro com banheira, secador. Tinha um espaço para conectar o notebook na internet, um guarda roupas com cofre e claro a cama maravilhosa.
Um ponto positivo é que conseguimos assistir programas em português. Lá tinha Globo Internacional.

Recepção do Hotel


Ao lado do nosso hotel, tinha tipo um calçadão para fazer compras. Lá encontramos lojas de roupas, mercados, restaurantes, fast food, etc.
Então todos os dias iamos lá.
Do outro lado do hotel, tinha um Carrefour Express. Uma maravilha pra quem precisa comprar coisas mais baratas, tipo água, bolachas, salgadinhos, etc.

Bom, fora o calçadão, fizemos alguns passeios que precisam estar na lista de lugares a conhecer.

Primeiro demos uma volta na cidade. Passamos pela Casa Rosada, que é linda.
Fomos ao Caminto, que é um bairro cheio de casinhas coloridas, porém, um lugar bastante perigoso. Fica perto do Estadio do Boca Juniors, onde fomos também.



Caminito

Caminito


Loja em Frente ao Estadio do Boca Juniors

É um passeio que vale muito a pena, porém fica o aviso que recebi, lá não é muito seguro, e não é aconselhável ir após escurecer.

Agora mudando totalmente de área, fomos também ao Puerto Madero. É a parte mais moderna da cidade. Tem bastante restaurantes, e dá para andar pelo calçadão que tem lá também.

Puerto Madero

Puerto Madero


 De noite fomos ao Señor  Tango, show de Tango com jantar (pra quem quiser). Não deixe de ver! Vale muito a pena!

Señor Tango

Um lugar, que particularmente, achei muito louco, porém bastante legal foi a Feira de Santelmo.
É uma feira com coisas bem diferentes, colorida e divertida...

Feira de Santelmo

Pela cidade



Rua de Compras (Acho que era a Cale Florida)

Aos arredores da Feira de Santelmo

E para comer? Bem, como eu já tinha falado, existem vários restaurantes e fast foods, mas o nosso preferido foi o "El Gaucho", onde tinha esse bife de chouriço maravilhoso, e com um precinho ótimo.




Lá é a terra do Alfajor Havana né? Sim! Porém, apesar do Havana ser maravilhoso, gostei muito mais do Alfajor Cachafaz! Não existem palavras para descrever como é gostoso! Essa é minha dica!

Sobre o dinheiro, lá é peso Argentino, e em 2011 o Real estava valendo uns 2 pesos argentinos, eu acho.

Agora, com a crise o cenário mudou, e as coisas lá não são tão baratas quanto eram.

É isso! Espero que tenham gostado.

Beijos,
Mari





quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

O que mudou depois dos meus 15 anos?




Uma vez vi essa pergunta, numa página do facebook: O que mudou depois dos meus 15 anos?

Pensei bastante em quanto a minha vida tinha mudado, e achei que seria legal dividir com vocês...

Bom, logo depois que completei 15 anos, eu me formei no ensino fundamental, no SESI, onde estudava. Digamos que foi uma mudança muito louca na minha vida, porque afinal de contas, eu estudei no SESI desde que tinha 1 ano de idade... Logo, mudar de escola pela primeira vez foi choque e tanto.
Também mudei de cidade. Fui morar em São Paulo temporariamente, enquanto minha casa em São Bernardo não ficava pronta (estava reformando). Confesso que odiava morar em SP. Mas, enfim... Não vou entrar muito em detalhes porque, sinceramente, não vale a pena.
Comecei a estudar em uma escola pública, chamada Neusa Figueiredo Marçal. Até que pra quem era uma novata, fiz amigos bem rápido. Apesar de não termos mais tanto contato, lembro de cada um com carinho imenso.
Depois de 7 meses estudando no Neusa e morando em SP, meu pai morreu. Teve um infarto fulminante.
É nessa parte em que minha vida dá um giro de 180º e me deixa sem rumo.
Imagine, uma menina de 15 anos, que já não tinha mais a mãe, perder o pai também, e ter que decidir o que irá fazer da vida. Nem preciso dizer que tomei a decisão mais errada da minha vida, né?!
Pois bem... Decidi que iria ficar em SP, até minha casa terminar de reformar, porém, mudei antes de terminar.
Isso aconteceu em meados de Agosto de 2007.
Em Novembro fiz 16 anos.
Em Dezembro eu comecei a namorar. No primeiro mês foi lindo. Depois disso nosso namoro virou um inferno, porque tinha uma influencia externa que simplesmente não me deixava ver o meu namorado.
Depois disso, apesar dos pesares fui levando a vida como dava, bem como o namoro...
Enquanto isso rolava um processo de tutela (menor de idade sem os pais, precisam de um tutor, pra cuidar dos bens...)
Em Abril, a coisa ficou bem ruim, e resolvi sair da MINHA casa, e mudei para casa da minha madrinha.
No segundo semestre de 2008 mudei de escola também, e fui estudar numa escola particular chamada Colégio Anchieta.
O namoro começou a seguir melhor...
Em 2009 me formei no ensino médio e comecei a tirar minha carta.
Em 2010 parti para a faculdade de Arquitetura e Urbanismo, que era um sonho meu, e promessa pro meu pai.
Comprei também meu primeiro carro.
Em 2011 fiz minha primeira viagem internacional: Buenos Aires - Argentina.
Em 2012, comecei a morar sozinha, e meu namoro foi pro saco.
Também ganhei uma cachorra, que é uma parte muito importante da minha vida.
Depois de me recuperar de uma mega depressão, descobri o que era viver a vida... Comecei a sair, conhecer gente nova e resgatar minha amizade com os meus amigos, uma vez que eu tinha me afastado de todos eles.
Em 2013 realizei outro sonho que foi a minha viagem para Orlando -EUA - Vulgo Disney.
Arranjei meu primeiro emprego com registro.
E no final do ano troquei de carro.
Em 2014 comecei uma temporada de muita loucura, porque era ano de TCC, e eu fui trabalhar em Paraibuna, numa obra que iria começar lá. Logo minha rotina era: toda terça vinha pra SBC, e toda quarta voltava pra Paraibuna (de madrugada). Além disso ainda voltava de fim de semana pra ver minha família.
Em Setembro fui mandada embora, e em Outubro comecei a trabalhar perto de casa.
Isso tudo fazendo o tal TCC.
Consegui cumprir minha missão, e virei arquiteta...
Sai de onde estava trabalhando, e comecei a fazer uns bicos ai... faz parte né?!
Em Agosto comecei a trabalhar na área da educação, na mesma empresa que a minha madrinha, e apesar de eu não ter vocação pra ensinar, amei esse novo mundo.

Enfim, muita coisa aconteceu na minha vida.
Umas coisa muito ruins, outras maravilhosas, e disso tudo só tirei aprendizado.

Tive que deixar amigos para trás, mas, em compensação ganhei outros maravilhosos.

A vida não é fácil pra ninguém... Nada vem fácil, e se vem, vai fácil também.
A questão toda é como você vai lidar com tudo isso. No meu caso, aprendi muitas coisas e não desisti de nada.

Vai de você pensar no que quer fazer da sua vida...

Beijos,
Mari

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Ih viajei! Chile.

Fazia um tempo que queria escrever sobre minhas viagens.

A desse post, é a minha viagem para Santiago, capital do Chile.
Fui viajar em Maio de 2015, período considerado de baixa temporada, porque  além de ser fora das férias (brasileiras), também não tem neve nas Cordilheiras dos Andes.


Fiquei lá até dia 15/05 (se não me engano).

Me hospedei num hotel simples, mas muito gostoso, chamado Londres (fotos abaixo, do corredor do meu quarto e da rua do hotel). Não me lembro o endereço, mas fica próximo a Igreja de São Francisco e do restaurante Lá Picola Itália, que já aproveitando o ensejo, a comida é maravilhosa e até que barata!





Mari, o que tem para fazer no Chile?

Bom, existem muitos museus no centro da cidade alguns mais baratos, outros mais carinhos...
Visitei o museu Colonial da Igreja de São Francisco e a própria igreja. 
A arquitetura era colonial, e em alguns lugares, ficava aparente os materiais usados na construção (tijolos).
Na minha opinião, esse não foi o passeio mais legal que eu fiz, mas vale a pena, porque podemos conhecer um pouco mais sobre a religião do Chile (não sei se é a predominante).



Um lugar que eu amei, tipo muito, foi a Biblioteca Nacional do Chile. Ela é simplesmente maravilhosa, e não precisa pagar pra entrar. Você pode andar por tudo, aproveitar algumas exposições (quando eu fui, tinha uma sobre topografia e cartografia), e dica para os viciados de plantão, você pode se cadastrar e usar o Wi-Fi grátis (precisa dos dados do passaporte).



Existe um jardim/morro, muito lindo (eu não fui! Quem visitou foi minha tia), chamado Cerro Santa Lucia.
Fica na mesma avenida da igreja de São Francisco, mas do outro lado da rua e mais pra frente... Rs (gente que entende de localização... Não sou eu!).


Fomos também a casa de Pablo Neruda, um escritor chileno, que ganhou o prêmio Nobel.
Ele tem, se não me engano, 2 casas... Uma em Valparaiso, bairro litorâneo, e outra em Santiago (que foi a que visitei). E vale a visita! A casa dele é muito linda e diferente!


Para comer, como eu já disse, tem o restaurante Lá Picola Itália, que é bom e barato, vários fast food (Mc Donalds também), mas o top dos tops (pra mim), foi o Restaurante Giratório.
Ele fica no 18º andar de um prédio, e o piso fica girando, fornecendo uma vista de 360° de Santiago.
Comida boa, mas nada barata! Você paga mais pela vista do que pela comida... Ah! O atendimento foi bom! 



Para chegar a esses lugares, usei o metro. Parece bastante com o metro de São Paulo (trem e estações), e usei meus pés também, visto que muita coisa era perto do meu hotel... Rs (as fotos abaixo, são de lugares que passei, mas não são perto do hotel... Estava de ônibus ou táxi quando vi esses lugares).



Agora, o melhor de todos os passeios, foi a Cordilheira dos Andes.
Para chegar lá, fechei um pacote, onde um ônibus me pegava e me trazia de volta no hotel.
Parte ruim de chegar até a Cordilheira é a estrada... Meu Deus, como fiquei enjoada! Fica a dica pra quem passa mau: toma metade de um dramin (inteiro você pode dormir), pra subir, e metade pra descer.


Chegando lá, fiquei boa de novo, e aproveitei a vista...
Como fomos fora da temporada, não tinha neve ainda...
Onde tem terra, a partir de Julho já tem neve.


Lá é bem frio, e não tem nada pra fazer, a não ser aproveitar a vista... Você pode pegar um teleférico (pago), pra subir a montanha e curtir as montanhas com neve (que ficam longe).



Na descida, paramos na Vila que chama Los Farrelones, onde tem casas lindas e um restaurante muito bom (nome na foto)! Mas, como eu estava passando mau, comi só uma salada, que era muito boa...



Bom, algumas dicas pros turistas de plantão, o Peso Chileno (quando eu fui) estava valendo assim:

1000 pesos chilenos = R$ 4,20 

Porém, tudo lá é na base das centenas... Um exemplo: uma latinha de refri custava 650 pesos.

Então, não se iluda achando que você está rico, infelizmente não tá! Rs

Essa foi a minha viagem pro Chile. Minha companheira da viagem foi minha tia Iolanda, e ficamos no mesmo quarto.
Nosso voo foi da Gol, e a viagem durou em torno de 4 horas (graças a Deus sem turbulências).

Beijos,
Mari

















terça-feira, 27 de outubro de 2015

Falar de Nada





Você alguma vez já ficou com vontade de falar de nada?
Hahaha

Sim! Eu estou assim hoje...
Não estou com vontade de falar especifico, mas ao mesmo tempo, estou com vontade de falar de tudo!

Estou com vontade de dividir que apesar das coisas parecerem meio difíceis, eu sei que estou conseguindo me virar bem... Graças a Deus tenho pessoas para me ajudar, e modéstia a parte, estou indo atrás do meu futuro... Rs

Estou com vontade de falar que to carente pra caramba, mas ao mesmo tempo, não to afim de ninguém me enchendo o saco...

Estou com vontade de falar que to mega entendiada da vida, mas ao mesmo to cheia de energia pra encarar ela de cara...

Então, você já parou pra pensar como a gente muda de ideia umas vinte vezes, vai e volta e nunca consegue chegar a lugar nenhum?! Pois sim, creio que todo mundo já teve esse momento perdido na vida...

Se é esse seu caso, relaxa, que isso passa!

O legal é focar no que você quer, onde quer chegar, e se esforçar para acalçar isso. A questão de estar em dúvida do que fazer é algo passageiro e logo você se acha.

Desculpem pela confusão de pensamentos.
É isso!

Beijos,
Mari

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Não se desespere! Tudo dará certo!

Oi gente!

Hoje vim aqui pra dizer que nem tudo na vida sai da maneira que esperamos.
Nem sempre conseguimos passar naquela prova, arrumar aquele emprego, ficar com aquela pessoa que a gente gosta, mas, paciência!

Tantas coisas aconteceram na minha vida, de maneiras inexplicáveis, ou pior ainda, da maneira que eu não queria e nem esperava. Mas, apesar de eu querer mudar muitas delas, aceitei. Tudo é aprendizagem, só basta saber tirar o melhor de cada situação e não repetir o mesmo erro.

Sempre que você quiser algo, precisa correr atrás. Não existe essa de ficar rico sem trabalhar, de conseguir um namorado em casa, de passar na prova sem estudar. Nada nessa vida cai do céu e nem todo mundo tem a sorte de ganhar na Mega Sena.

Pessoas que são pessimistas atraem coisas ruins. Por isso não fique se fazendo de coitado, colocando a culpa do que não da certo nos outros. Existem muitas pessoas em situações muito piores que conseguem muito, pelo simples fato de quererem fazer acontecer. Mude a frequência dos seus pensamentos. Em vez de pensar eu não consigo, pense eu vou fazer.
Pense em coisas mais positivas, em coisas boas, que isso vai atrair tudo de bom ao seu redor.

Esse tipo de pensamento vale também pras pessoas. Perdoe quem te fez mau. O perdão faz bem pra quem dá e quem recebe. Muito mais pra quem perdoa, porque deixa a alma leve.

E pra todas as outras coisas que não estão dando certo agora, relaxe! Nada acontece por acaso! Tente tirar proveito de tudo o que aconteceu de ruim, para que você cresça no futuro. E não se esqueça, que tudo dará certo!

Beijos,
Mari